Meu Diário
06/04/2016 08h26
"Los Caprichos de Tu Corazón..."

O tempo começa a surtir seus benéficos efeitos, e já tenho alguns momentos de alívio. Ao acordar com o coração mais leve, cheguei a pensar que a dor havia dado uma trégua, que eu estava começando a ler este amor tão fincado em mim como uma lembrança no caminho, se distanciando a cada passo.

Mas a vida é cheia de trapaças e logo hoje pela manhã, um colega que costuma colocar música alta na sala ao lado entendeu de colocar La Barca. Aí é covardia! A música sempre mexeu muito com as minhas emoções e para quem está de castigo no cantinho da desilusão música latina é como uma lança enfiada no peito.

E assim tem sido a minha rotina. Sentir, não sentir, sofrer, não sofrer, e escrever. Escrever sempre, pois é aquilo que mais tem me ajudado.

Ficando por aqui. Bom dia.

 

 

Observação: Os títulos dos textos deste blog são retirados de trechos de músicas nacionais e internacionais.

 


Publicado por Iolanda Pinheiro em 06/04/2016 às 08h26
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
05/04/2016 20h00
"Na velocidade a tarde leva o teu olhar ..."

Hoje, indo para o trabalho, caí num momento de nostalgia. Neste horário, quando estávamos juntos, era comum receber tantas mensagens dele que ficava difícil dirigir.

Mas o meu celular silenciou. Emudeceu.

Chovia lá fora, e chovia também em mim, as lágrimas impertinentes me embaçavam o horizonte. Foi quando o sol resolveu aparecer e me deu de presente um lindo arco-íris. Bati várias fotos até obter uma em que ele aparecesse em todo o seu esplendor. Afinal aquele era o meu presente e eu tinha que recebê-lo com todas as honras merecidas. Talvez fosse um sinal que as coisas melhorariam. Talvez, porém...

No resto do dia tentei manter o foco em outros interesses. Os processos, ansiosos para serem resolvidos, sobre a minha mesa, davam loas a minha nova disposição. Foram-se cinco de uma lenhada.

À noite fiz coisas que usualmente não faria. Deixei celular e bolsa dentro do carro, e entrei na casa da minha mãe despreocupada. Ninguém importante me ligaria mesmo... Achei que ia ficar tudo bem: ledo engano.

Já em casa fui mexer nas fotos do meu note e me deparo com várias dele. O diabo mora mesmo nos detalhes, e ainda há muito de ti em mim. Talvez devesse deletar tudo e fingir que nada aconteceu, mas cadê a coragem? Como me despedir para sempre dos teus lindos olhos verdes que me seduziram? O processo será mais doloroso que o contrato que firmei com meu coração.

Repactuaram os preços sem me avisar e agora esquecer ficou mais caro, mais difícil. Às vezes eu me sinto naqueles programas de recuperação de viciados. A batalha é diária, e a vitória é recuperar minha vontade de amar de novo. Mas, sinceramente, nem sei se desejo a cura.

Ficamos por aqui. Boa noite.

 

Observação: Os títulos dos textos deste blog são retirados de trechos de músicas nacionais e internacionais.

 

 


Publicado por Iolanda Pinheiro em 05/04/2016 às 20h00
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
04/04/2016 19h23
"NA PRIMEIRA MANHÃ QUE TE PERDI..."

Quando você perde alguém a quem muito amou, o impacto é como se um trem se jogasse contra o seu corpo: não se consegue respirar, o choro deforma seu rosto, as palavras  faltam, o sentimento de incredulidade afoga. Aí uma hora, exausta e vencida pela dor, você consegue dormir. 

Os sonhos intranquilos não dão descanso algum, não fazem nenhum sentido, apenas você tem certeza que há algo fora do lugar. Então, quando finalmente acorda, as lembranças vêm e o devoram, atingem novamente seu peito com todas as suas forças, e o lançam ao chão.

A dor ainda é viva, presente, persistente, e cruel. Dói em cada detalhe, em cada lembrança, em cada aviso sonoro de mensagem no whatsapp que eu sei que não é dele.

A vida é construção e destruição. Aceitarei cada etapa deste doloroso processo como aprendizagem, só peço alguma trégua, alguma água, alguma chance de me refazer, e aí é deixar o tempo fazer o seu trabalho.

Boa noite.

Observação: Os títulos dos textos deste blog são retirados de trechos de músicas nacionais e internacionais.

 

 


Publicado por Iolanda Pinheiro em 04/04/2016 às 19h23
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 8 de 8 1 2 3 4 5 6 7 8 [«anterior]