Textos


Turma do Quintal
Palavra do Dia: Mãe
MÃE de primeira viagem, ela esperou impaciente a chegada do filho. Fez enxoval, pintou o quarto, comprou brinquedos. O filho nem chegou a inaugurar o berço, dormiu seu primeiro sono em uma pequena caixa entre flores.


Turma do Quintal
Palavra do dia: Tartaruga
Levou as malas para o carro, voltou à casa perdida para o ex- marido. Colocou uma torta de maçã no forno, como lembrança pelos bons tempos, ligou o gás mas não riscou o fósforo. Deixou um cigarro aceso sobre o cinzeiro, conferiu mais uma vez a apólice de seguro no bolso, fechou a porta, jogou longe o molho de chaves com o chaveiro de TARTARUGA e sorriu.

Turma do Quintal
Palavra do dia: Tartaruga
Olhou para a TARTARUGA sobre a bandeja e já ia devorar uma perna quando a mãe gritou:
- Pedrinho! Deixa cantar os parabéns primeiro, e depois você come uma fatia do bolo!

Turma do Quintal
Palavra do Dia (de amanhã) : Paralelepípedo
Jogou o carro por cima da tartaruga que atravessava a rua calçada com PARALELEPÍPEDO. Não acreditou quando desceu e viu seu pneu dilacerado. Já estava ligando para a borracharia quando a tartaruga gritou para ele, alguns metros adiante.
- Vacilou, bocó, eu sou ninja.


Vivia tropeçando no mesmo PARALELEPÍPEDO, aquilo sim era uma "pedra no caminho".
Palavra do Dia: Peso.
Ela trazia um rio represado em seus olhos.
Ele concordara com o encontro, cheio de pressa. Queria logo resolver tudo. Seguir com a vida.
Dirigia lentamente, ganhando minutos. Ao longo do caminho, a certeza angustiante da frase fatal, o PESO da definitiva decisão.
- Quer casar comigo?

Turma do Quintal
Palavra do dia: Inveja
Eram vizinhas em casas geminadas.
-As casas tinham jardins;
-As duas eram casadas;
-As duas tinham lindos filhos;
-As duas tinham a mesma idade;
-Uma tinha tudo, a outra tinha INVEJA.



Turma do Quintal
Palavra do dia: Futuro.
Quando a última pá de terra caiu sobre o caixão do marido, Bernadeth viu que ali se encerrava o seu FUTURO. Doravante viveria do passado. Comeria recordações, beberia retratos, respiraria os beijos que nunca mais iria dar.



Turma do Quintal
Palavra do dia: IDEIAS
Olavinho passou a manhã pensando no quindim que ia comer na padaria. Se sobrasse dinheiro ainda tomaria uma coca. A carteirinha do mickey no bolso o desiludiu, não tinha nem três reais lá dentro. Voltou para casa chutando as pedras e pensando na economia nacional.
- Por isso esse país não vai para frente, as coisas só funcionam no plano das IDEIAS.

Turma do Quintal
Palavra do dia: Ousar (Ousadia)
Marido e esposa voltavam juntos do trabalho, pegavam o ônibus, desciam na parada. Faziam o resto do caminho a pé, de mãos dadas. Quando o beco estava vazio, ele a puxava contra o corpo, dava-lhe beijos e mordidas no pescoço.
Ela reclamava, batia nele com a bolsa, ficava de bico.
Um dia ao passarem pelo dito beco, mesmo vazio, ele nada fez. A esposa, então, fez cara de zangada e perguntou:
- Hoje não vai ter ousadia não, é?



Palavra do Dia: Livro
O quarto da menina era cheio deles, todos coloridos e com aquele cheiro inconfundível de encantamento e solenidade. Antes de conseguir decifrar seus enigmas, criava mil enredos, apenas olhando as ilustrações. Quando, finalmente, aprendeu a ler, os LIVROS já eram seus melhores amigos,a diferença é que agora eles haviam aprendido a falar.


Turma do Quintal
Palavra do dia 27.05: Sutiã
Sempre que viajava trazia os mais belos e caros sutiãs para a jovem esposa. Mal podia esperar que a esposa saísse para ele poder experimentar cada um dos sutiãs, desfilando em frente ao espelho. Ficava lindo!!!
Aquele publicitário achava difícil promover a campanha sobre o novo sutiã, mesmo assim resolveu meter os peitos.

Palavra do Dia: Brisa
Saiu com o pretendente para um passeio à beira mar, toda produzida. A BRISA, assanhando seus cabelos, não atrapalhou seus planos, mas aí começou a chover e a chapinha já era.

Turma do Quintal
A Palavra do Dia: Amor
O casamento sem AMOR ia de mal a pior, mas ela nem pensava nisso. Quanto mais sofria, mais leve se sentia. Andava da cozinha para o tanque, flutuando. Levitava ouvindo reclamações. Planava acima do chão enquanto sentia os murros no rosto. Um dia decidiu sair voando pela janela, foi do quinto andar até a calçada



Palavra do Dia: Labirinto.
Ela passava todos os dias em direção ao mar. Cabelos na cintura, olhos verdes, saia de renda de labirinto. Ele tinha vontade de gritar seu nome, mas sabia que nunca seria ouvido. Ficava olhando enquanto ela entrava na água e ia avançando até sumir. Depois caminhava para o cemitério, e colocava uma flor no túmulo da mãe suicida.



Palavra do Dia: Labirinto.
Ganhou uma caixa de chocolates artesanais no natal do escritório. Não esperava muita coisa, mas o sabor foi como uma epifania. Um dia, anos depois, sentiu vontade de comer de novo. A loja ficava num lugar longe e chegar lá era complicado como decifrar um LABIRINTO. Mas valeria a pena. Não valeu: haviam mudado a receita, e agora faziam os bombons com açúcar mascavo e sem leite, uma proposta vegana. Voltou para casa arrasada. Entre as lágrimas de frustração, lembrou de uma bobagem que a mãe falava e começou a rir: "Rapadura é doce, mas não é mole."



PALAVRA DO DIA: ADEUS
Olhou para os filhos enquanto era levada com as outras mulheres. Eles acenavam as mãos, sorrindo, com toda a inocência que só a infância permite.
- ADEUS, meus amores, ADEUS, e até breve. - Pensava ela, enquanto o gás descia pelo teto.
A DEUS todos eles iriam, afinal.


Palavra do dia: Pão
Mesmo já tendo passado do alvorecer dos anos, tinha uma vaidade de mocinha de época. Já amanhecia toda linda e maquiada: Vestido rodado de bolinhas, óculos tipo gatinho, lenço no pescoço e saltos. Ia assim para a padaria, comprar brioches, mas o objetivo era ver o arquiteto charmoso que, todos os dias, corria na calçada da praia.
-Nossa, mas que PÃO ! Pensava, entregando a idade.


Palavra do dia: Roubo.
A ação foi cuidadosamente planejada. Visualizou o objeto do desejo, esperou a distração dos demais, e, com um movimento friamente calculado, caiu sobre a vítima inerte. Correu com ela dali sem que qualquer um pudesse detê-lo. Não sem antes lançar um olhar ameaçador para a plateia aflita. ROUBO concretizado, natal prejudicado, e o gato, no telhado da casa, saboreando uma coxa do peru.


Palavra do dia: Idoso (a)
Chegou à festa já cansada. As pernas pesavam, os dedos doíam. Olhando para toda aquela gente jovem e animada, sentia-se um peixe fora d'água. Na mesa defronte à sua, um cavalheiro que a observava, pediu para sentar com ela. À medida em que iam rindo e conversando, ela ia remoçando. Quando tocou aquela música especial, ela já estava com quinze anos. Dançaram a noite inteira. Ao amanhecer, todos se recolheram aos seus quartos, na clínica para repouso de idosos, depois do baile da terceira idade.


Palavra do dia: Diário
Todas as amigas de Regina tinham um DIÁRIO de capa rosa para registrar seus segredos. Ela mesma nunca se interessou, existem certas lembranças que só podem ser escritas no coração.


Palavra do dia: Nebulosa
Marcavam os encontros furtivos na NEBULOSA Borboleta, Constelação de Scorpious. Cada um chegava com sua nave, e se amavam ali mesmo. Os corpos em suspensão no espaço, entre cometas e estrelas, o mais lindo dos cenários para a mais linda paixão do mundo. Nunca se largaram, e nem podiam, o amor deles era, realmente, uma coisa do outro mundo.


Palavra do dia: Nebulosa
Foi uma semana de empenho e sacrifício.Tinha um objetivo e iria alcançá-lo. Na quinta-feira, todavia, pensamentos NEBULOSOS toldaram sua consciência. A tentação lhe perturbava o juízo. Observou o movimento o dia inteiro, e quando se percebeu sozinha, sucumbiu ao crime. No dia seguinte, todos do escritório queriam saber o que havia acontecido com o resto da torta de chocolate que haviam guardado no frigobar. A cara de felicidade da meliante a denunciou.

Palavra do dia: Cãs
Disse a menina ao passar pelo portão, em direção à praça:
- Mãe, vou levar as cãs para passear!
- Não são cãs, menina! Estas aí são duas CADELAS!
- Ah, mãe! Também não precisa xingar as coitadas!



Palavra do Dia: TERRA
A miséria o vencera. As carcaças, no barro quebradiço da estrada, o venceram. Seguia o caminho sem olhar sua TERRA, apequenada a cada quilômetro vencido. Os olhos, cegos pela dor, choravam a água de um céu sem nuvens.


Palavra do dia: Namoro
Conheceram-se em uma loja do centro. Assim que o viu, a moça se apaixonou perdidamente. Não foi fácil conseguir tê-lo, mas, com muito trabalho, acabou dando certo. O NAMORO durou até ela encontrar um novo amor na mesma loja. Foi assim que ela gastou todo o salário em um I-PHONE último modelo.


Palavra do dia: Olhar
Tinha saudade dele sempre que voltava para casa, do seu OLHAR de velhos amigos separados por oceanos de distância, mesmo que ela tivesse saído por cinco minutos, apenas. Talvez, ao se reencontrarem no céu, ele, ao vê-la chegando, balançasse o rabo e lambesse seus dedos, contente.


Palavra do Dia: Reunião
Na REUNIÃO dos insetos, o mosquito Neno este ano não vai. Detesta a mesma piadinha que todos fazem quando ele chega:
Vem, Neno, você é mesmo de morte!

Palavra do dia: LOUCURA
Susi saía cedo da empresa nas quintas-feiras. Dirigia até o Hotel Shangri-lá, onde um cavalheiro já a esperava, e os dois se entregavam aos prazeres com LOUCURA e paixão.
Voltava para o lar renovada. Jantava, brincava com os filhos, e ia para cama. Antes de dormir o marido sussurrava em seu ouvido:
- Amor, a gente podia fazer isso também nas segundas...

- OS PRAZERES DO LOBO -
 

Só porque meu amor me pediu e porque eu gosto de realizar os desejos dele. Mais uns continhos selecionados.



 
Fracasso

 
Depois de muita cantada sem resultado, colocou a VIOLA no saco e foi tocar em outra freguesia.


 
Tesouro


Escreveu o poema mais lindo do mundo e o lançou na ÁGUA do mar, assim nunca poderiam lhe fazer comparações.



Filho

Olhou para o pequeno milagre de madeira. Seu coração se enchia de amor enquanto cortava cada desnecessária CORDA.
-Bem vindo à vida, meu filho. Você vai se chamar Pinocchio!
               



De segunda a sábado, no mesmo horário, ela parava tudo o que estava fazendo para ficar com ele. Valia a pena: sorrisos, declarações de amor, olhares, tudo para ela. Somente uma parede de VIDRO impedia seus abraços, mas se tinha que ser assim, ela aceitava sem reclamar. A rotina foi quebrada no dia do blecaute, porque a novela das oito não foi transmitida.



Esmero


Vestiu a filha com cuidado. Vestido, véu, sapatinhos de salto. Penteou o seu cabelo loiro, pegou um arranjo de plástico colorido e usou cada minúscula flor para fazer um buquê. Abriu a caixa e a colocou lá dentro.
- Você ficou linda de noiva, Barbie. Sorriu e colocou a boneca na estante.



Relogio

Madalena olhou para o RELÓGIO pela quarta vez. Ansiosa, procurava se distrair para matar o tempo. Mas se o perdesse, também fracassaria. Todos contavam o com o seu sucesso. Sentados à mesa, esperando, cobrando em silêncio. O instinto a fez correr até a cozinha. Finalmente o bolo estava pronto!



Embrulho

Coco ralado grosso, mel de engenho, um cravo, uma pitada de sal e fogo. Logo tudo ficava pronto e era cuidadosamente colocado em um delicado embrulho de papel branco, atado por uma fitinha verde. Saía com vários doces na bacia prateada, reluzindo pelas ruas oblíquas, o cheiro das cocadas atraindo crianças como abelhas. Sentava, então, na praça e distribuía docinhos e sorrisos. Era o regalo favorito do filho morto há cinco anos. Sem ter sua criança junto a si, olhava a cada uma como se fosse seu anjinho.
O homem passando ao largo perguntou a um dos pequenos.
- Vem cá, menino, diga para mim, o que esta mulher vende?
- Amor! – Respondeu e saiu correndo atrás de uma bola vermelha.




Água


Mergulho em outro mundo. Em silêncio quase reverente me deixo envolver. Sobre, abaixo e ao redor de mim tudo é encantamento, forma e cor. O sol sob o filtro d'ÁGUA vai perdendo sua força ao longo da descida ao insondável abismo, contornos se diluem e se transformam entre bolhas que procuram o céu. Não há hostilidade, somente a tepidez que é origem e destino.


Tua Belle.

Iolanda Pinheiro
 
Pronto, namorado: prometido e cumprido.

Imagem: Eu aos três anos com a minha irmã mais velha.

 
Iolanda Pinheiro
Enviado por Iolanda Pinheiro em 13/05/2017
Alterado em 20/06/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Iolanda Pinheiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários