Textos


 
Súbita Mente  

 
 
Quando a lua no céu, o lume ostenta
Espelhando, pelo breu, a claridade
Reflete em natural opacidade
O cintilar da estrela que a sustenta

Quando o mar ondula solto, na tormenta
Relampeja no negror, a tempestade
Entre vagas e trovões, serenidade
Mirando a lua o marinheiro se orienta

Longa a noite, a solidão que desalenta
Faz de amargo o doce travo da saudade
E de pesada a dor que à alma, cimenta

A silhueta é toda paz, felicidade
Flutua o seu querer, sonho que inventa
E jaz na imaginária liberdade


Iolanda Pinheiro



Espaço para
os
Amigos:


Alberto Valença Lima


Oh que belo versejar!
Tua pena no papel a rimar, 
com uma lua que de súbita, 
ostenta o cintilar, 
Num céu de trevas 
na tempestade a bailar.


-000-

LUAMOR

Perdida e navegando no meu amor
Eu e tu,um amor e um poema a compor
Mágico assim, sob a luz da cheia lua
Um instante, entregue estou, toda nua
numa serena noite
Luamor


-000-

MarisA CostA


Súbita Mente, assim,
horizonte da mágoa,
solidão sem dor
não tem onde aportar


-000-

CRIStina GASpar


 A Lua que no céu flutua
 Prateando o ar com formosura
 Iluminando os seres na rua
 Tantas fases de uma só figura

 Em revoltas ondas se agiganta o mar
 Estremecendo o ar com vontade
 Aliando seu furor de arrepiar
 À temida tempestade

 O marinheiro enfrenta tudo mirando o luar
 Um forte que se apoia na fé que acalenta
 O amor que o espera é maior do que a tormenta

 A noite delineada em pesadelo raivoso
 Se extinguirá em imaginário sonho
 E seu aportar será num dia livre e glorioso


-000-

JAMES  Assef


No breu da noite
Vem a saudade algoz
O exílio amanhece
Fez disto açoite
Um inimigo atroz
É dia e a vida acontece


-000-
Iolanda Pinheiro
Enviado por Iolanda Pinheiro em 17/07/2017
Alterado em 25/07/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Iolanda Pinheiro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários